Parto normal: a natureza se encarrega; mamãe e bebê agradecem

As vantagens psicológicas e físicas do parto natural para mães e filhos são explicadas pela médica Merielle Barbosa Lobo no artigo que defende “a melhor forma de dar à luz, embora a cesariana seja indicada em determinados casos”. Com experiência de obstetra, atuando em três hospitais administrados pela Pró-Saúde, a médica alerta para os altos índices de partos cirúrgicos no país, bem acima da taxa dos 15% recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

São realizadas 39% de cesarianas, muitas desnecessárias, segundo dados de 2002 do Sistema de Informações de Nascidos Vivos (Sinasc), lembra ela. Para para reverter esse índice, o Ministério da Saúde lançou uma campanha a favor do parto normal, explica Merielle. “Os benefícios do parto normal são inúmeros, tanto para a mãe como para seu bebê. Vão desde uma melhor recuperação da mulher e redução dos riscos de infecção hospitalar até uma incidência menor de desconforto respiratório do bebê”, justifica.

Para os recém-nascidos, diz a Dra. Merielle “o início das contrações é uma espécie de aviso de que sua hora de nascer está chegando. Assim, ele se prepara melhor para esse momento e terá menos problemas de adaptação na vida fora do útero materno”, acrescenta, defendendo ainda o parto natural como melhor forma de dar à luz pelo estabelecimento do vínculo afetivo entre mãe e bebê, “inclusive com a presença do pai ou de um familiar, oportunidade única do primeiro contato e de iniciar o aleitamento materno ainda em sala de parto”, conclui a médica. 

O Coordenador Operacional da Pró-Saúde no Tocantins, o administrador hospitalar Allan Jacqueson Barbosa Lobo, enfatiza que, “apesar da evolução tecnológica e do avanço do conhecimento, ainda morrem mulheres por falta de orientações durante a gestação, parto e pós-parto, sem contar nos bebês que nascem e não chegam ao primeiro ano de vida”. E acrescenta: “cuidar da mulher, especialmente da gestante e da criança é uma das metas da ONU – organização das Nações Unidas, e o parto normal contribui muito para redução de complicação e redução da mortalidade materna e da criança”

Leia a íntegra do artigo: [prettyfilelink src=”http://prosaudetocantins.org/wp-content/uploads/2012/08/Artigo_Dr.a._Merielle.pdf” type=”pdf”]Artigo_Dr.a._Merielle[/prettyfilelink]

 

Merielle Barbosa Lobo, graduada em Medicina pela Universidade Iguaçú/RJ, Especialista/Residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia pelo Ministério da Saúde /Maternidade Municipal Leila Diniz e Hospital Municipal Raphael de Paula e Souza/Rio de Janeiro/RJ, Especialista em Emergência Obstétrica ALSO, Advanced life Suport in Obstetrics, CRM Tocantins,  é médica do Hospital e Maternidade Pública Tia Dedé, em Porto Nacional /TO, médica do Hospital e Maternidade Pública Dona Regina Siqueira Campos em Palmas/TO e  médica do Hospital Yutaka Takeda em Carajás/PA.

 

9 ideias sobre “Parto normal: a natureza se encarrega; mamãe e bebê agradecem

  1. Dr. Ronaldo

    Pois é a UNIG, formou grandes médicos, essa doutora é um exemplo disso, parabéns abençoada e que papai do céu continue lhe abençoando para que ajude a colocar muitas novas vidas neste nosso país que tanto carece dos serviços médicos. PAARABÉNS!!!!!!!!

  2. Olete

    Filha espero que todo este conhecimento, seja aplicado em sua terra natal…..Nova Venécia, São Mateus e adjacências no Espírito Santo, te aguardam.

    Conheço sua capacidade, por isto nem me surpreende, sei que és capaz de fazer muito mais, em benefício das mulheres e das crianças, pois foste escolhida por Deus para realizar grandes obras na medicina, Seu grande mestre é Cristo, sempre estará ao seu lado….

    Olete Barbosa Lôbo

  3. Remidio Vizzotto Junior

    Dra. Merielle, este artigo reflete bem sua contuda profissional. Buscou e conquistou o respeito de seus pares, só tenho a lhe agradecer por ter me ajudado na condução dos trabalhos aqui no Tia Dedé e pela preocupação técnica. Grande Abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*